Home Empresa Cliente Net Eventos Boletim Trabalhe Conosco Clipping Links SAC
Resenha Médica 
 
Tabelas Prática 
 
Agenda de Obrigações 
 
Legislação 
 
Consulte Empresa 
 
Notícias 
 
Contato 
 
Terceiro Setor 
 
Destaques 
 


Informações | Legislação | Texto de Apoio
Movimento Força Amiga alerta para o Câncer de Colo do Útero

A prevenção, o diagnóstico e o tratamento adequados para cada fase podem mudar o futuro das pacientes

#forçaamiga

Para chamar a atenção dos brasileiros e dar voz às mulheres que enfrentam o câncer de colo do útero, sociedades médicas, especialistas e ONGs se uniram à Roche, líder mundial em oncologia, para lançar o movimento Força Amiga. A iniciativa tem como objetivo estimular o apoio a pacientes com a doença e incentivar o debate em torno do tema e todos os seus estágios.

Dividida em diferentes etapas, a campanha prevê ativação nas redes sociais, com o uso da hastag #ForçaAmiga, engajamento de celebridades, sensibilização da sociedade por meio de conteúdo na conta de luz, em parceria com a AES Eletropaulo, intervenções no Metrô de São Paulo e Programa Poupatempo, além de disseminação de conhecimento entre especialistas, jornalistas, blogueiras e influenciadores, para fomentar uma discussão integral sobre a doença.

A iniciativa conta com o apoio da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (SBOC), a Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO), o Grupo Brasileiro de Tumores Ginecológicos - EVA, e a Associação Brasileira de Patologia do Trato Genitário Inferior e Colposcopia (ABPTGIC).

O câncer de colo do útero é o terceiro mais comum entre as brasileiras. Segundo o Instituto Nacional do Câncer (INCA), serão 16.340 novos casos em 2016, um aumento de 4,8% na incidência (15.590 registrados em 2015).

Segundo Gustavo Fernandes, médico oncologista e presidente da SBOC, o cenário da doença no País é alarmante. As taxas de sobrevivência para o câncer de colo do útero no Brasil estão abaixo daquelas observadas em países desenvolvidos, refletindo um diagnóstico tardio e falhas no tratamento. "A causa propõe uma verdadeira construção, passo a passo, de um futuro melhor para as mais de 16 mil mulheres que são diagnosticadas todos os anos com a doença", reforça Fernandes.

Fonte: http://observatorio3setor.com.br/category/noticias/


Leia mais: